Rio Doce, altura de Pingo D’Água – MG.

Foto: anoeljr

Lembro muito de minha avó materna. Moleque de pouca idade, toda vez que minhas aventuras terminavam mal, algo corriqueiro, lá vinha ela acalmar meu choro e, invariavelmente, lavar meus arranhões com  algumas gotinhas de água benta.

Não sei se era a água ou o carinho de minha avó, mas sempre funcionava.

No misticismo católico caipira de minha avó, nascida e

Ler mais