RESGATANDO VIDAS

tatarugas01_etn

Com apoio da população, Uerj e Eletronuclear se unem no resgate de tartarugas marinhas no litoral de Angra dos Re

O Projeto PROMONTAR-ANGRA vem conquistando um objetivo que está além de suas metas. Às vésperas de completar dois anos, o programa que monitora as tartarugas marinhas na região Sul Fluminense e fornece dados coletados à comunidade científica, ao Projeto TAMAR-ICMBio e ao IBAMA, também despertou na população o desejo de preservar o meio ambiente.

O PROMONTAR-ANGRA é fruto de uma parceria entre a Eletronuclear e a Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a UERJ, para atender a uma condicionante do licenciamento ambiental da Usina Nuclear Angra 3. Dentre suas atividades está a Rede Remota de Resgate, que funciona como uma ação conjunta entre a equipe técnica do projeto e os cidadãos. Através dos telefones 9090 33620291 ou 9090 999699554, é possível acionar o resgate de tartarugas marinhas vivas debilitadas ou mortas, estejam elas na praia ou no mar.

O biólogo do PROMONTAR-ANGRA, Yuri Izidoro, revela que a adesão da população ao projeto tem sido fundamental para o resgate das tartarugas. “A maioria dos nossos registros, ou quase a sua totalidade, é feita através de chamados da população. Tanto turistas quanto moradores locais entram em contato, indicando um animal debilitado ou morto na praia e, a partir desse chamado, nós vamos até o local averiguar e fazer os procedimentos necessários”, afirma Yuri.

Retorno à natureza

Comovida com o PROMONTAR-ANGRA, Elizabete Martins, dona de um estabelecimento comercial na Ilha do Pelado e moradora de São Gonçalo há 20 anos, procura fazer a sua parte quando se depara com alguma ocorrência. Em abril de 2015, ela pôde realizar a soltura de uma tartaruga-verde, cujo resgate havia sido solicitado por seu marido. Após 11 meses de tratamento, a tartaruga batizada de ‘Esguicho’, retornou ao mar.

tartarugas_etn

“Nós lutamos muito pela preservação e é uma emoção muito grande devolver a tartaruga para a natureza. Sinto como se estivesse resgatando uma vida”, diz Bete, como é conhecida.

Clique aqui e assista a um vídeo de uma dessas solturas.

Monitoração

Atualmente, o programa abrange o litoral de Angra dos Reis e parte do litoral de Paraty, onde já foram confirmadas as ocorrências de todas as cinco espécies de tartaruga marinhas presentes no litoral brasileiro: tartaruga-verde (Chelonia mydas), tartaruga-de-pente (Eretmochelys imbricata), tartaruga-cabeçuda (Caretta caretta), tartaruga-oliva (Lepidochelys olivacea) e tartaruga-de-couro (Dermochelys coriacea).

O PROMONTAR-ANGRA também realiza outras atividades, como o mergulho de captura intencional, a patrulha costeira – ambos voltados para a monitoração – e o serviço de informação à população através da distribuição de cartazes e panfletos informativos.

 

Os mergulhos de captura, realizados todos os meses na Piraquara de Fora, Praia Vermelha e Ilha do Pelado, permitem que a equipe técnica, composta por biólogos e veterinários, realize as análises biológicas (biometria, condição corporal e de saúde etc.) das tartarugas marinhas e as identifique com grampos metálicos numerados e seriados, cedidos pelo Projeto TAMAR-ICMBio. A marcação serve para os pesquisadores acompanharem o desenvolvimento e a movimentação dos animais em futuras recapturas. Além de já ter registrado mais de 120 indivíduos, o Projeto PROMONTAR-ANGRA também monitora os parâmetros físico-químicos – temperatura, turbidez, salinidade, entre outros – da água do mar.

Na patrulheira costeira, nove praias da região são monitoradas, todos os dias. É realizada uma procura por animais encalhados, mortos ou doentes, além de serem coletados dados sobre condições climáticas e do mar.

Através desses serviços de monitoramento, é possível contribuir com o conhecimento científico brasileiro, como revela Humberto Gitirana, coordenador geral do projeto. “O PROMONTAR-ANGRA, hoje, atende à prestação de serviços para a Eletronuclear e, em paralelo, nós, que somos pesquisadores, seguimos com o desenvolvimento desse conhecimento sobre as tartarugas marinhas na região de Angra dos Reis, que é uma lacuna de conhecimento no Brasil.”

Clique aqui e conheça mais sobre o projeto.

 

Sobre a Eletronuclear

Subsidiária da Eletrobras, a Eletronuclear é a responsável por operar e construir as usinas termonucleares do país. Conta com duas unidades em operação na Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto (CNAAA), com potência total de 1990 MW. Hoje, a geração nuclear corresponde a aproximadamente 3% da eletricidade produzida no país e o equivalente a um terço do consumo do Estado do Rio de Janeiro. Angra 3, que está em construção, será a terceira usina da Central. Quando entrar em operação comercial, em 2018, a unidade (1.405 MW) será capaz de gerar mais de 10 milhões de MWh por ano – energia limpa, segura e suficiente para abastecer as cidades de Brasília e Belo Horizonte durante o mesmo período.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.