PROJETO: BIOCOMBUSTÍVEIS

BIOCOMBUSTÍVEIS – A ABIDES vem ao longo de mais de cinco anos desenvolvendo estudos e parcerias com várias instituições, publicas e privadas, no campo dos biocombustíveis, tanto Biodiesel quanto etanol. Para nossa organização o que importa é identificar as melhores tecnologias, com menor custo e que viabilizem uma maior diversidade possível de alternativas energéticas, especialmente para Biodiesel. Nesse contexto, tem-se buscado articular com a Embrapa/Ministério da Agricultura, secretarias de agricultura de Unidades da Federação, sistemas estaduais de extensão rural, organizações não-governamentais empresas ligadas direta ou indiretamente ao setor.

PROJETO: BIOCOMBUSTÍVEIS.

BIOCOMBUSTÍVEIS – A ABIDES vem ao longo de mais de cinco anos desenvolvendo estudos e parcerias com várias instituições, publicas e privadas, no campo dos biocombustíveis, tanto Biodiesel quanto etanol.

Para nossa organização o que importa é identificar as melhores tecnologias, com menor custo e que viabilizem uma maior diversidade possível de alternativas energéticas, especialmente para Biodiesel. Nesse contexto, tem-se buscado articular com a Embrapa/Ministério da Agricultura, secretarias de agricultura de Unidades da Federação, sistemas estaduais de extensão rural, organizações não-governamentais  empresas ligadas direta ou indiretamente ao setor.

Nessa direção a proposta da ABIDES é fechar toda a cadeia produtiva desses segmentos, desde a fase agrícola, passando pela colheita, transporte, processamento industrial e comercialização. Há ainda, nossa preocupação com o pequeno produtor, que precisa se organizar em sistema cooperativista, em condomínios e consórcios rurais, como alternativas de agregar valor e melhorar sua renda – para isto desenvolvemos o projeto das ECOAGROVILAS, fórmula moderna e comprovada de integração de arranjos produtivos locais (APLs), comercialização de produtos e melhoria do IDH das comunidades envolvidas nestes projetos.

Frente a esses desafios, estamos trabalhando alguns projetos, sendo o primeiro a se iniciar no estado do Mato Grosso, as Ecoagrovilas da Baixada Cuiabana, que consistem em células comunitárias produtivas, com preocupações ambientais, sociais e de viabilidade econômica, atrelada a sistemas de empresas-âncora e associativismo, vinculando pequenos, médios e grandes empreendedores rurais, de maneira que todos tenham retorno econômico de forma justa e com contratos firmados entre si.

Nesta linha pretendemos apoiar a base produtiva nos biocombustíveis no Brasil, América do Sul, Ásia e Europa.

PROGRAMAS E METAS.

1. Focos.

•         Etanol

•         Biodiesel

2. Contexto.

•         A questão energética é considerada atualmente fator crítico para a sustentabilidade do planeta.

•         O virtual esgotamento das reservas de combustíveis fósseis e a conseqüente escalada do preço do petróleo no mercado internacional requerem ações imediatas para viabilizar alternativas viáveis.

•         Os impactos ambientais das fontes tradicionais de energia devem ser evitados e as emissões dos gases causadores do aquecimento global devem ser drasticamente reduzidas.

•         No cenário mais conservador, estima-se que os biocombustíveis passem a responder por quase 5% da demanda mundial por combustíveis em 2030 (quase 8% na União Européia). No Brasil, a perspectiva é que a participação da energia limpa atinja 24% .

•         Em um cenário mais otimista, os biocombustíveis representariam 8% da demanda mundial. Destaque mais uma vez para a União Européia, cuja utilização seria de 12%. No Brasil, a participação dos biocombustíveis atingiria 30%.

3. Etanol.

•         O mercado internacional de Etanol ainda é relativamente pequeno.

•         Agentes do mercado brasileiro afirmam que a abertura do mercado internacional ocorrerá somente a partir da próxima década.

•         A diretiva da União Européia é de substituição dos combustíveis fósseis em 10% até 2020, o que significará um consumo 25 bilhões de litros.

•         O etanol é o produto que pode suprir as novas necessidades mundiais provocadas pelas “mudanças dos paradigmas da energia”.

•         No Brasil os derivados da cana de açúcar já respondem por 16.5% da energia primária.

•         O Brasil tem por meta produzir etanol para substituir 10% da gasolina consumida em todo o mundo no prazo de 18 anos.

•         Isso exigirá multiplicar por 12 sua produção atual de 17,3 bilhões de litros anuais, sem sacrificar florestas, áreas protegidas ou cultivo de alimentos.

•         Cerca de 90 usinas estão sendo implantadas hoje no país e cada uma delas deve levar “entre cinco e seis anos” para atingir sua capacidade plena de produção.

4. Atuação da ABIDES – Etanol.

•         Consolidar o mercado de etanol na América Latina e promover a expansão deste mercado para a Europa e Ásia.

•         Desenvolver programa de exportação de tecnologia brasileira de etanol para os países da América do Sul, Europa e Ásia.

•         Desenvolver parcerias visando à promoção de políticas industriais para a produção de veículos com motores flex nos países da América do Sul, Europa e Ásia.

•         Atuar como promotora de negócios envolvendo empresas do Brasil e dos países das áreas de interesse.

5. Biodiesel.

5.1 Metas de Desenvolvimento Tecnológico e Industrial.

•         Propiciar o adensamento energético da matéria prima, tendo como referenciais 2.000kg/ha de óleo para o médio prazo e 5.000kg/ha no longo prazo;

•         Aprimorar as atuais rotas de produção de Biodiesel, com valorização do etanol como insumo, e desenvolvimento de novas rotas;

•         Desenvolver processos competitivos e sustentáveis de produção de energia a partir de resíduos orgânicos das cadeias de processamento de produtos de origem animal;

•         Desenvolver tecnologias de agregação de valor nas cadeias, com valorização de co-produtos, resíduos e dejetos;

•         Desenvolver tecnologias visando o aproveitamento da biomassa de vocação energética para outros usos na industria de química fina e farmacêutica;

•         Desenvolver tecnologias que permitam a autonomia e a sustentabilidade energética para agricultores, agroindústria e comunidades isoladas;

•         Desenvolver processos para a obtenção de inovações baseadas em biomassa de oleaginosas, inclusa a oleoquímica;

5.2 Marco Legal.

•         A Lei nº 11.097, de 13 de janeiro de 2005, estabelece a obrigatoriedade da adição de um percentual mínimo de Biodiesel ao óleo diesel comercializado ao consumidor, em qualquer parte do território nacional. Esse percentual obrigatório será de 5% oito anos após a publicação da referida lei, havendo um percentual obrigatório intermediário de 2% três anos após a publicação.

•         A partir de 01/07/2008 a adição obrigatória de Biodiesel passou a ser de 3% e a partir de 01/07/2009 esta adição passou a ser de 4%.

5.3 Atuação da ABIDES – Biodiesel.

  • Promover a produção e comercialização de Biodiesel através da Ecoagrovilas na forma de cooperativas e consórcios de pequenos e médios produtores.
  • Incentivar a cooperação comercial de empresas brasileiras nas áreas de equipamentos, tecnologia e serviços de Biodiesel com parceiros estrangeiros.
  • Participar e incentivar o desenvolvimento tecnológico do segmento do Biodiesel promovendo parcerias entre empresas, universidades e centros de pesquisa.

Gerson Bastos

Gerson Bastos é um desenvolvedor de sites especializado na plataforma open source Wordpress. Trabalha com desenvolvimento de sites desde 2007 e atua principalmente em Brasília-DF. Email: gerson@gersonbastos.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.