Planejar manejo de espécies marinhas é caminho para sustentabilidade

Tão importante quanto identificar o volume total de peixe retirado do mar é saber a quantidade de cada espécie pescada, como explica a bióloga Mônica Peres. Segundo a pesquisadora, o litoral do Brasil, com 8,5 mil quilômetros de extensão, tem grande diversidade de espécies marinhas, mas número limitado de cada uma.

 

peixes

Pesquisadora considera fundamental saber a quantidade de cada espécie pescada.

Foto: Divulgação/Projeto Tamar

 

“Ecossistemas com essa característica dependem do equilíbrio entre as espécies para funcionar. Nesse contexto, o planejamento e a gestão por manejo são fundamentais para que a atividade seja sustentável a longo prazo, tanto do ponto de vista da biodiversidade quanto do negócio”, destaca a especialista.

 

O pesquisador Paulo Pezzuto, da Universidade do Vale do Itajaí – Univali, avalia que a gestão do setor pesqueiro no país tem sido feita por medidas pontuais. “Quando acontece uma crise, como a ameaça de extinção de alguma espécie, uma ação pontual é tomada. Desconsidera-se a complexidade do setor.”

 

Ele também defende que a gestão seja feita por planos de manejo, que incluem a descrição das pescarias com as informações científicas para que todos entendam o que precisa ser feito.

 

Mônica Peres conta que a gestão na Austrália é uma boa referência. Lá, para cada espécie marinha estão definidas as metas de pesca e os planos de ação caso um ponto crítico seja atingido. “Reduzem-se os barcos pela metade, proíbe-se a pescaria pelo período necessário. Essa decisão não é tomada por um gestor que acabou de chegar. Isso já está decido com base na ciência.”

 

De acordo com ela, dessa forma o setor pode se preparar. “Todos acompanham e podem, inclusive, prever o quanto vão investir naquela pescaria. No Brasil, o pescador compra barco, compra rede, investe e depois descobre que aquela pesca foi proibida.”

 

Para Mônica, o ideal no Brasil é ter uma produção menor, mas de peixes mais nobres, portanto mais lucrativa. “Os vermelhos e as garoupas, por exemplo, têm grande potencial de exportação a preços altos. O setor pode pescar menos e ganhar mais.”

 

Além disso, a pesquisadora destaca a importância da diversidade de peixes para a segurança alimentar do país. “Quando se tem a diminuição dos estoques das populações de peixe, você está gerando impactos que não podem ser contabilizados.”

 

Mônica lembra que em algumas áreas do país, com na Amazônia e na região costeira do Rio Grande do Sul, por exemplo, a população come peixe em todas as refeições. Uma pesquisa recente da Oceana revelou que o consumo médio das famílias ribeirinhas é cerca de 200 quilos de pescado por ano.

 

O secretário de Planejamento e Ordenamento da Pesca do Ministério da Pesca e Aquicultura, Fábio Hazin, também está certo de que a administração dos estoques de forma mais eficiente pode aumentar a produtividade e lucratividade do setor.

 

Por Maiana Diniz, da Agência Brasil

 

Publicado no Portal EcoDebate, 10/07/2015

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.