PEC 215: a quem interessa sua aprovação?

INDD

Brasília, 18/04/2013 – Indígenas fazem manifestação em frente ao Palácio do Planalto. Eles protestaram contra a PEC 215, que transfere para o Congresso poder de demarcar terras indígenas.

Foto de Valter Campanato/ABr

Compreender as motivações da política partidária não é uma tarefa fácil para qualquer um de nós, cidadãos comuns, que não vivenciamos regularmente os bastidores.

Entretanto, alguns temas em pauta no Congresso chamam a atenção. E um deles é a recente aprovação feita por uma Comissão Especial da Casa da Proposta de Emenda à Constituição – PEC 215/00, que altera as regras para a demarcação de terras indígenas, de remanescentes de comunidades quilombolas e de reservas; as Unidades de Conservação.

São 15 anos de persistência em se aprovar esse texto. Por quê?

Em resumo, a atual proposta de emenda tira o poder do Estado e passa exclusivamente ao Congresso essa atribuição, não permite mais, por exemplo, a ampliação das atuais terras indígenas – TIs, ao mesmo tempo autoriza empreendimentos econômicos nas mesmas e ainda prevê a indenização a proprietários que estejam nestas áreas demarcadas e em localizações fronteiriças, a partir de outubro de 2013.

De acordo com a legislação atual, só é permitido o pagamento de benfeitorias de produtores rurais que estejam nas áreas.

Põe em risco as estruturas das atuais unidades de conservação brasileiras, que já sofrem com uma estrutura deficitária, e as novas potenciais, tendo em vista que as dificuldades no âmbito legislativo são o aparato técnico, a capacitação de análise de muitos legisladores, a morosidade nas tramitações e os interesses de grupos partidários.

Ao mesmo tempo, é importante que haja a revitalização do sistema do Executivo, no processo dessas pautas. Está longe da eficiência e de um corpo suficiente também de amparo técnico para as análises nos órgãos atualmente competentes.

Isso aflige consequentemente a tramitação dos processos e as implementações, como vimos hoje. Ao mesmo tempo, há uma fragilidade na fiscalização.

É importante lembrar que além da Constituição, existem as legislações específicas, como o Sistema Nacional de Unidades de Conservação – SNUC, a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. O Brasil é signatário de diversos tratados internacionais. Tudo isso para quê?

A PEC 215 praticamente anula a escuta aos povos indígenas e tradicionais, que são os mais interessados e têm o direito constitucionalmente a essas áreas. Ainda coloca em perigo o usufruto das novas gerações.

Apesar de grupos de indígenas terem ido à Brasília se manifestar, não foram ouvidos. Isso demonstra o contexto de como está sendo o procedimento de escuta.

Em outras localidades do país, povos indígenas também mostraram seu repúdio à aprovação na Comissão Especial, fazendo barreiras em 14 rodovias, mas isso mais uma vez não foi suficiente para modificar o modo de operação no legislativo.

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil – APIB, entre outras organizações indígenas e do terceiro setor, como o Instituto Socioambiental – ISA, a Fundação SOS Mata Atlântica e WWF – Brasil têm se manifestado contra a PEC 215. Campanhas virtuais e abaixo-assinados circulam pelo país.

A questão de fundo é: a quem interessa essa alteração proposta pela PEC 2015 e qual sua contribuição à sociedade brasileira?

Aí entram os tais bastidores, que a maioria da população desconhece. A Comissão Especial é formada predominantemente pela bancada ruralista, o que eticamente, é reprovável, porque deveria ter uma alternância de representatividade, para que não incorresse em interesses de grupo.

Após ser aprovada a matéria, agora os próximos passos são os seguintes: ir à votação em dois turnos na Câmara e no Senado, em que devem votar respectivamente 308 deputados e 49 senadores, no mínimo.

Caso a matéria passe nas duas Casas, vai à sanção da presidência, que pode aprovar ou vetar.

Houve a constituição de um embate político com partidos contrários a esta decisão, que defendem causas socioambientais, e consideram a PEC-2015 inconstitucional e propõem que a decisão vá ao Supremo Tribunal Federal – STF, caso seja aprovada.

De acordo com Márcio Santilli, sócio-fundador do Instituto Socioambiental – ISA, aproximadamente 1,6 processos de oficialização de TIs, quilombos e UCs passarão ao Congresso, se a proposta for aprovada. Ao mesmo tempo, causaria impacto a 228 TIs ainda não homologadas.

Quando vimos por este prisma, a observação é clara: trata-se de poder e interesse na disputa de terras. Portanto, novamente o questionamento: a quem interessa esta alteração, por que e para quê?

É essa transparência que deve ser colocada à sociedade e às populações diretamente afetadas.

Sucena Shkrada Resk é jornalista, formada há 23 anos, pela PUC-SP, com especializações lato sensu em Meio Ambiente e Sociedade e em Política Internacional, pela FESPSP, e autora do Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk
http://www.cidadaosdomundo.webnode.com, desde 2007, voltado às áreas de cidadania, socioambientalismo e sustentabilidade.

in EcoDebate, 11/11/2015

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.