Os oceanos são uma grande fonte potencial de energia

A energia do oceano –

 

Os oceanos são uma grande fonte potencial de energia. E eu não estou falando do petróleo da camada pré-sal.

 

O movimento das ondas, das marés e das correntes marinhas e as diferenças de temperatura e da salinidade das águas podem ser convertidos em energia elétrica.

 

Mas a tecnologia para isso tudo não foi totalmente dominada. Existem vários projetos-piloto no mundo, sem que se tenha encontrado uma solução viável economicamente para que os mares passem a gerar energia em larga escala.

 

O professor Segen Estefen, da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, identifica uma oportunidade para o Brasil nessa área.

 

“Temos condição de ser competitivos no mar, já que perdemos a corrida na energia solar e na eólica”, disse Estefen, diretor de Tecnologia e Inovação do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia – COPPE, da UFRJ.

 

Na semana passada, ele participou, no Recife, do 5.º Encontro Preparatório para o Fórum Mundial de Ciência 2013.

 

Em qualquer lugar, esse é um campo novo. De acordo com o relatório “Fontes de Energias Renováveis e Mitigação da Mudança Climática”, publicado pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas em 2011, somente 0,002% do total da oferta de energia no mundo tem origem no mar.

 

O Brasil tem um dos projetos de ponta nessa área. No ano passado, foi instalada no Porto do Pecém, a 60 quilômetros de Fortaleza, uma usina de ondas.

 

Com tecnologia da COPPE, teve apoio da Tractebel e do governo do Ceará. O investimento é de cerca de R$ 15 milhões, com recursos do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento da Agência Nacional de Energia Elétrica  – ANEEL.

 

A costa brasileira tem um potencial de geração de energia de 114 gigawatts (GW). Desse total, cerca de 20% são viáveis, de acordo com o professor da UFRJ.

 

Para se ter uma ideia do que seriam esses 22 GW, a usina hidrelétrica de Itaipu tem uma capacidade instalada de 14 GW.

 

Os mares podem se tornar uma fonte alternativa importante de energia renovável, caso os desafios tecnológicos sejam resolvidos.

 

A usina de ondas de Pecém é um projeto experimental, com capacidade de 100 quilowatts; um quilowatt equivale a um milionésimo de gigawatt.

 

Segundo Estefen, a usina foi construída com tecnologia 100% nacional, desenvolvida no Laboratório de Tecnologia Submarina da Coppe. Um dos pesquisadores chegou a registrar uma patente nos Estados Unidos.

 

O sistema tem dois módulos, cada um deles formado por uma boia com 10 metros de diâmetro e um braço mecânico de 22 metros de comprimento. As ondas fazem as boias subir e descer, e movimentam os braços mecânicos.

 

O movimento alternado aciona uma bomba mecânica, que libera um jato com força equivalente a uma queda d’água de 400 metros, similar às das grandes hidrelétricas.

 

O jato aciona uma turbina, que ativa um gerador e produz energia elétrica. A água desse jato não é do mar, mas água doce num sistema fechado que existe na usina.

 

Até agora, a usina de ondas funcionou durante alguns períodos. “Agora queremos colocar o laboratório em operação contínua”, disse Estefen.

 

“O desafio é garantir a confiabilidade do equipamento e manter a usina produzindo energia.”   A ideia seria garantir uma produção mínima de energia, como acontece nas usinas eólicas.

 

A tecnologia usada em Pecém surgiu no laboratório da Coppe, que também desenvolve soluções para exploração de petróleo em águas profundas.

 

Segundo o professor da UFRJ, o próximo projeto será criar uma usina em alto-mar, no Rio de Janeiro. O projeto está sendo discutido com a Marinha e deve ser financiado por Furnas.

 

A ideia é criar e instalar um módulo só, com investimento de cerca de R$ 8 milhões. Sem ocupar espaço na costa, que pode ser caro, a geração de energia do oceano acabaria por se tornar mais viável.

 

Os clientes poderiam ser as próprias plataformas do pré-sal. “O petróleo ainda vai dominar por algumas décadas”, reconheceu Estefen.

 

Mas, na sua visão, a exploração de petróleo em águas profundas pode ajudar o Brasil a desenvolver e dominar a tecnologia de geração de energia do mar, preparando o caminho para o futuro.

 

Reportagem de Renato Cruz, em O Estado de S.Paulo.

 

 

EcoDebate, 22/04/2013

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.