Número de residências com geração de energia distribuída quadruplica no Brasil

 

casasolar-ecod.jpg

 

A geração distribuída tem registrado crescimento expressivo desde as primeiras instalações em 2012.


Foto: futureatlas.com/ Flickr/ (cc)

 

Em 2015, a geração distribuída no Brasil registrou 1.307 novas adesões de consumidores, somando uma potência instalada de 16,5 megawatts (MW) e totalizando 1.731 conexões.

Apenas entre novembro e dezembro, após a aprovação das alterações na Resolução Normativa ANEEL 482/2012 e o Lançamento do Programa de Desenvolvimento da Geração Distribuída de Energia Elétrica – ProGD, houve crescimento de 73% nos projetos, que registravam mil unidades em outubro.

A fonte mais utilizada pelos consumidores continua sendo a solar, com 1.675 adesões, seguida da eólica, com 33 instalações. Atualmente, o Estado que possui mais micro e minigeradores é Minas Gerais, com 333 conexões.

Seguem o Rio de Janeiro, com 203, e o Rio Grande do Sul, com 186.

A geração distribuída tem registrado crescimento expressivo desde as primeiras instalações em 2012. Naquele ano, eram apenas três projetos registrados, enquanto que em 2013 foram verificados 75.

Se comparado com o ano de 2014, quando registrado 424 conexões, o número de adesões quadruplicou em 2015, passando para os atuais 1.731 adesões.

As novas regras começam a valer a partir de 1º de março de 2016

Com o aprimoramento na Resolução Normativa nº 482/2012, que criou o Sistema de Compensação de Energia Elétrica e permite que o consumidor instale pequenos geradores, tais como painéis solares fotovoltaicos e micro-turbinas eólicas, são estimadas 1.230.000 unidades de micro e mini-geração até 2024, o que representaria 4.500 MW de capacidade.

As novas regras começam a valer a partir de 1º de março de 2016.

ProGD
Para aprofundar as ações de estímulo à geração de energia pelos próprios consumidores, com base nas fontes renováveis de energia, o Ministério de Minas e Energia – MME, lançou em dezembro de 2015, o Programa de Desenvolvimento da Geração Distribuída de Energia Elétrica – ProGD.

Com investimentos de pouco mais de R$ 100 bilhões até 2030, o Programa prevê que 2,7 milhões de unidades consumidoras poderão ter energia gerada por elas mesmas, entre residências, comércios, indústrias e no setor agrícola, o que pode resultar em 23.500 MW, cerca de 48 TWh produzidos anualmente, de energia limpa e renovável, o equivalente à metade da geração anual da Usina Hidrelétrica de Itaipu.

Com informações do MME e ANEEL

http://www.ecodesenvolvimento.org/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.