Norte Energia reafirma acordos durante reunião com índios Arara e Paquiçamba

Foram mais de cinco horas de reunião entre lideranças indígenas das etnias Arara da Volta Grande e Paquiçamba com a Norte Energia S.A, para reafirmar aos povos das aldeias, localizadas na chamada Volta Grande do Xingu, no Pará, os termos dos acordos firmados pela empresa e cujas ações já haviam sido contempladas nas reuniões de 9 e10 de julho, quando o diretor-presidente da Norte Energia, esteve com dezenas de caciques e integrantes de várias etnias que povoam a área de influência da Usina Hidrelétrica Belo Monte, entre eles os que estiveram na reunião desta última sexta-feira.

 

A reunião ocorreu no campus da Universidade Federal do Pará – UFPa, em Altamira e contou ainda com representantes da Fundação Nacional do Índio – FUNAI, do IBAMA, do Ministério do Planejamento, da Secretaria Geral da Presidência da República e do Ministério Público Federal. Cerca de 20 indígenas participaram do encontro.

 

Ao final foi firmado a Memória da Reunião por todos os presentes, com alguns compromissos a serem observados pela Norte Energia, Funai e indígenas.

 

A reunião foi avaliada como satisfatória. Para a índia Deliane Juruna, o resultado atendeu às expectativas. “Estamos satisfeitos. No momento, estamos conseguindo reunir e observar melhor as condicionantes”, destacou essa liderança.

 

O diretor da Norte Energia, empresa responsável pela construção da Usina Hidrelétrica Belo Monte, João Pimentel, lembrou as ações e programas acordados 17 dias atrás e repudiou o sequestro dos três funcionários da Norte Energia.

 

“Estamos reafirmando aquilo que foi tratado em 10 de julho. Naqueles encontros estabelecemos compromissos sobre vários projetos, como a abertura de estradas, abastecimento de água, postos de vigilância, aquisição de veículos e equipamentos, enfim, tudo o que está no Projeto Básico Ambiental do Componente Indígena – PBA indígena e que foi aprovado pela Funai apenas no início de julho.

 

Não havia qualquer razão para esta violência”, afirmou o diretor que, no entanto, estava feliz pelo término do sequestro sem vítimas a lamentar.

 

Representante do Ministério do Planejamento, Celso Knijnik, diretor de Energia daquela Pasta disse que o diálogo é sempre o melhor caminho.

 

“Acho que o encontro foi produtivo, porque o PBA indígena é complexo e essas comunidades merecem toda a nossa atenção. Tivemos ocorrências como a ocupação e agora esta com os funcionários da empresa. Não aprovamos essa prática e sempre iremos dialogar. Foi o que fizemos hoje”, ressaltou.

 

“Tanto nós, do Ministério do Planejamento, quanto a Funai vamos ajudar a Norte Energia a ser bem sucedida nas suas ações. Estamos acompanhando”, finalizou.

 

Discussão –

 

Da pauta de reivindicações apresentada pelos indígenas, constou também o mecanismo de transposição de embarcações do Rio Xingu.

 

A Norte Energia fez constar na Memória da Reunião que não mais irá às aldeias para discutir esse assunto pois teme pela segurança de seus técnicos após o sequestro dos 3 funcionários na aldeia Murutu que durou 5 dias.

 

Ficou acertado que sistemas de abastecimento de água, por meio dos poços artesianos, serão instalados em cinco aldeias.

 

A Norte Energia garantiu que até 31 de agosto serão estruturadas poços nas aldeias Muratu, Terrã Wangã e Paquiçamba. A mesma atenção será dada às aldeias Furo-Seco e Aldeia Nova. A construção de poços nesses locais cumprirá o prazo até 15 de setembro.

 

Outro ponto importante foi a apresentação do cronograma de obras de infraestrutura relativas ao Plano Básico Ambiental – PBA de Componente Indígena.

 

Até o dia 27 de setembro está prevista a apresentação do cronograma, que entre as ações de engenharia, prevê as construções de escolas, moradias e unidades de saúde.

 

30 julho 2012


www.blogbelomonte.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.