Nível do Sistema Cantareira é o menor dos últimos 10 anos e Sabesp cria estratégia para baixar consumo de água

Sistema Cantareira: Representação Gráfica dos Reservatórios

 

Sistema Cantareira: Representação Gráfica dos Reservatórios

 

Depois de mais de uma semana sem chuva e sob forte calor com os termômetros indicando temperaturas acima dos 30º Celsius – C, a capital paulista poderá ter áreas de instabilidade de forma isolada no final da tarde, segundo informa o Centro de Gerenciamento de Emergência – CGE, órgão da prefeitura de São Paulo.

 

Mas para os próximos dias, a previsão é de predomínio da estiagem, incomum para essa época do ano.

 

Além da falta de chuva, os moradores da cidade tem enfrentado temperaturas recordes. No sábado (1), o Instituto Nacional de Metereologia – Iregistrou o dia mais quente para um mês de fevereiro.

 

A temperatura máxima chegou a 35,8º C, às 16h, na estação meteorológica do Mirante de Santana. Foi a marca mais elevada para o período em relação a média histórica e a temperatura mais elevada de 2014, ficando atrás apenas da medição feita , no último dia 3, quando atingiu 35,4º C.

 

Com o calor excessivo, o consumo de água aumenta, e como não tem chovido, dia a dia só tem baixado o nível do principal reservatório de abastecimento da cidade, o Sistema Cantareira, que atende a cerca de 10 milhões de pessoas, na Grande São Paulo.

 

Segundo a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo – SABESP, o nível neste domingo estava em 21,7% do total da capacidade.

 

Para evitar transtornos, com risco de racionamento, a Sabesp lançou uma campanha oferecendo um desconto de 30% no valor da conta dos consumidores que conseguirem economizar 20% no consumo em relação ao gasto médio dos últimos 12 meses. Poderão participar os consumidores de residênciais, comerciais e industriais.

 

O Sistema Cantareira distribui água para a toda a zona norte e o centro de São Paulo, além de atender parte das zonas leste e oeste da capital e também os municípios de Barueri, Caieiras, Carapicuíba, Francisco Morato, Franco da Rocha, Itapevi, Jandira, Osasco e Santana de Parnaíba.

 

Já em Guarulhos e São Caetano do Sul,o atendimento ocorre por meio das prefeituras, que compram e distribuem o produto.  Nos dois municípios, caberá à prefeitura adotar ou não a mesma estratégia da bonificação.

 

Segundo a SABESP, os interessados poderão ter acesso à sua média de consumo no endereço eletrônico da empresa – https://www9.sabesp.com.br/agenciavirtual/ .

 

Ainda conforme justificou a companhia, ao longo do ano passado na área das quatro represas que formam o Sistema Cantareira foi registrado 1.090 milímetros de chuva, bem abaixo da média histórica que é de 1.566 milímetros.

 

Além da medida de estímulo, a empresa recomenda o esforço coletivo para economizar água adotando comportamento como, por exemplo;

 

–   o de tomar banhos mais curtos e sempre fechar o registro ao ensaboar ou usar o shampoo;

 

–  de não lavar a calçada com mangueira e apenas limpar o local com vassouras; t

 

–  rocar a mangueira pelo balde na hora de lavar o carro;

 

–  tirar o excesso de comida da louça a ser lavada

 

–  e o de acumular as roupas para serem lavadas a um só tempo.

 

Moradora em um condomínio de apartamento no bairro do Tremembé, Vera Lúcia Barros, de 59 anos, considerou a medida válida. No entanto, ela contou que já segue uma rotina de economia que se encaixam nas recomendações feitas.

 

“Eu nunca esvazio a caixinha de reservatório para a descarga do banheiro, sempre só uso a metade e deixo juntar as roupas para colocar na máquina de uma vez só”, disse.

 

A consumidora relatou ainda que o edifício onde mora tem um sistema de captação de água de chuva para uso na limpeza e na regas do jardim e que o exemplo poderia ser seguido por muita gente.

 

Reportagem de Marli Moreira, da Agência Brasil

 

Publicada pelo EcoDebate, 03/02/2014

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.