Municípios reivindicam recursos federais para pôr fim aos lixões

Prazo previsto pela Política Nacional de Resíduos Sólidos para fim dos lixões é agosto de 2014.

 

 

Representantes de municípios brasileiros reivindicam recursos ao governo federal para colocar fim aos lixões até agosto de 2014, como determina a Política Nacional de Resíduos Sólidos – Lei 12.305/10.

 

A implementação da lei foi discutida nesta terça-feira pelas frentes parlamentares de Infraestrutura e Ambientalista, em parceria com o Ministério do Meio Ambiente.

 

Segundo presidente da Confederação Nacional de Municípios – CNM, Paulo Ziulkoski, as prefeituras não têm recursos cumprir a lei. Ele estima que sejam necessários cerca de R$ 70 bilhões para acabar com todos os lixões do País.

 

Para isso, é necessário a organizar a coleta seletiva, instalar usinas de reciclagem e depositar o material orgânico em aterros sanitários. Ziulkoski também considera curto o prazo previsto na lei.

 

Falta de planos municipais

 

O secretário de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano do Ministério do Meio Ambiente, Ney Maranhão, destacou que apenas 20% dos municípios brasileiros concluíram a elaboração dos planos municipais de gestão dos resíduos no prazo previsto pela lei, que era agosto de 2012.

 

“A falta dos planos dificulta até a discussão do financiamento”, disse. “Essa é a organização mínima exigida dos municípios”, complementou a diretora de Ambiente Urbano do ministério, Zilda Veloso.

 

O diretor executivo da Associação Amazonense de Municípios – AAM, Luiz Antônio Cruz, explicou que, com exceção de Manaus, todos os outros 61 municípios amazonenses se juntaram para elaborar conjuntamente seus planos e conseguiram cumprir a legislação.

 

“Os municípios já têm seus planos, mas não têm recursos para implementá-los”, ressaltou. “Um município pequeno não tem R$ 2 milhões para construir um aterro sanitário”, acrescentou.

 

 

 

Adiamento do prazo

 

O coordenador da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Infraestrutura Nacional, deputado Arnaldo Jardim – PPS/SP, e o coordenador da Frente Parlamentar Ambientalista, deputado Sarney Filho – PV/MA, destacaram que diversos representantes dos municípios reivindicam o adiamento do prazo para o fim dos lixões, mas ambos são contrários ao adiamento.

 

“Não estamos abrindo a discussão de flexibilizar o prazo, porque assim só estaremos postergando o problema”, disse Jardim.

 

“Isso iria flexibilizar a legislação e comprometê-la. Devemos discutir alternativas, inclusive de financiamento, para que o prazo seja cumprido”, opinou Sarney Filho.

 

O deputado ressaltou que já tramitam na Câmara cerca de 30 propostas com o objetivo de fazer ajustes na lei, o que enseja a formação de um nova comissão especial sobre o assunto.

 

 

Reportagem – Lara Haje Edição – Patricia Roedel

Matéria da Agência Câmara de Notícias

 

Publicada pelo EcoDebate, 14/08/2013

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.