Lama da Samarco chega no mar e interdita praias capixabas

Lama-02

A mancha marron invade o mar.

Foto: Fred Loureiro/Secom ES.
A mancha vista do alto.

Foto: Fred Loureiro/Secom ES.

A lama da barragem da mineradora Samarco, que rompeu no começo do mês em Mariana, Minas Gerais, chegou com tudo na foz do rio Doce neste sábado (21).

O rastro de água marrom deixado no mar pode ser visto ao longo de 10 km da costa, com largura que chega a 40 km, segundo cálculo feito pelo Instituto Estadual de Meio Ambiente – IEMA do Espírito Santo, divulgados na manhã desta segunda-feira (23).

A prefeitura de Linhares interditou três praias da região: Regência, Povoação e Pontal do Ipiral. Placas sinalizam que a água está imprópria para banho.

Ainda não há dados sobre a qualidade da água. Eles só deve se tornar disponíveis nos próximos dias.

Desde sexta, a Samarco, empresa responsável pelas barragens de rejeito que romperam, em Mariana, Minas Gerais, trabalhou para retirar boias de contenção, para que a lama chegasse ao mar. A ideia é que a lama se dissipará quando chegar no oceano.

A retirada foi baseada na decisão do juiz titular da Vara Civil de Linhares, Thiago Albani, que revogou a decisão anterior da Justiça Federal do Espírito Santo que havia determinado que a empresa de propriedade da multinacional brasileira Vale e da australiana BHP Billiton barrasse a chegada da lama na foz do rio Doce, área de concentração de desovas da tartaruga-gigante (Dermochelys coriacea).

Assim foi feito e máquinas abriram caminho na areia para que a lama fosse direcionado para o mar. Mas barreiras de contenção com o objetivo de proteger ilhas localizadas no estuário foram mantidas. Não adiantou muito.

A lama de rejeitos passou pela barreira de contenção e atingiu a vegetação.

Por ((o))eco

segunda-feira, 23 novembro 2015

http://www.oeco.org.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.