Isso é PANC! Plantas alimentícias não convencionais

panc

 

Por falar em alimentação saudável e sustentabilidade, cabe bem falar aqui sobre as PANC!.

 

Plantas alimentícias não convencionais – PANC

 

As ‘plantas alimentícias não convencionais’ – PANC  são plantas que nós, ou a maioria de nós, não comemos por falta de costume ou de conhecimento e que podem sim ser consumidas!

 

Nativas ou exóticas, muitas são denominadas ‘mato’, ‘daninhas’, ‘invasoras’ e até ‘nocivas’ por brotarem espontaneamente entre as plantas cultivadas ou em locais onde não “permitimos” que isso ocorra. Devido a isso, milhares de espécies com alto valor nutritivo são negligenciadas por grande parte da população e do poder público.

 

As PANC se referem a partes das plantas, como frutos, folhas, flores, rizomas, sementes, etc., que podem ser consumidas pelo homem, cruas e/ou após preparo culinário. Além das ‘partes de plantas não convencionais’, também trata das ‘partes não convencionais de plantas comuns’, como por exemplos o uso das folhas de batata-doce e do mangará (coração) da bananeira na alimentação.

 

As PANC tem potencial para complementação alimentar, diversificação dos cardápios e dos nutrientes ingeridos e na diversificação das fontes de renda familiar, como a venda de partes das plantas ou de produtos processados (geleias, pães, farinha, etc) e através do turismo, rural ou gastronômico.

 

pancs
Nesta foto tem: picão-branco, urtiga mansa, trapueraba, serralhinha e Ora-pro-nobis.

90% do alimento mundial atualmente vem de apenas 20 espécies.

 

“No mundo, estima-se que 30.000 espécies vegetais possuem partes comestíveis. Mesmo assim, 90% do alimento mundial atualmente vem de apenas 20 espécies, as mesmas descobertas por nossos antepassados do Neolítico, em diversas regiões onde a agricultura teve início e que foram incorporadas por quase todas as culturas existentes.”

 

“Além de tão poucas, hoje a maioria destas espécies cultivadas é restrita a poucas cultivares (variedades) e muito da agrobiodiversidade destas cerca de 20 espécies foram extintas, perdidas ou vem sofrendo grande erosão genética.”



Por ser um país grande e tropical, o Brasil tem uma biodiversidade imensa a ser pesquisada, estima-se em torno de 10.000 espécies nativas com potencial uso alimentício. Ou seja, ainda há muito a se estudar, coletar, cultivar e experimentar.

 

“Esse patrimônio natural de recursos fitogenéticos é um dos principais ativos brasileiros e, seguramente, pode desempenhar papel estratégico na consolidação do desenvolvimento nacional e na elevação da qualidade de vida da população brasileira.”

 

pancs2
Pontas cortadas de caules jovens do cacto Pitaia, também conhecido por ‘Saborosa’.

Livros e Receitas

 

livro-pancs
 

 

Portanto, cabe a nós a função de também procurar saber, conversar com os feirantes e produtores sobre o assunto, perguntar que hortaliça diferente é essa e testar saladas e receitas novas! Este tema não é novo e vem sendo cada vez mais falado e divulgado por estudiosos da botânica, da permacultura e da gastronomia.

 

Recentemente (2014) foi lançado pela editora Plantarum o livro Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) no Brasil, dos autores Valdely Kinupp e Harri Lorenzi.

 

Esse livro contem 351 espécies de PANC (nativas e exóticas, espontâneas e cultivadas) com fotos para identificação, dados botânicos, uso geral e culinário e receitas! Faz pouco tempo que eu sei da existência das PANC e já era simpatizante, mas foi há poucos meses, em fazendas orgânicas em SP e MG, que me encantei por elas, enquanto aprendia “forrageando*” para o almoço.

 

pancs3
Flores de capuchinha – vermelhas e amarelas, agregando valor visual e nutritivo à salada.
 

Nessa experiência, fiz saladas diversas com:

 

capuchinha (flores e folhas),

hibisco (flores e folhas),

trevo (toda a parte aérea),

serralhinha (folhas),

Ora-pro-nobis (folhas),

melão de São Caetano (frutos verdes e ramos jovens),

picão-branco/fazendeira (folhas, ramos e flores),

trapueraba (folhas e ramos jovens),

urtiga mansa (ramos jovens)

e pitaia/saborosa (pontas mais jovens dos caules),

e também pratos refogados com as folhas da abóbora, também conhecido por ‘cambuquira’,

da batata-doce (folhas)

e do picão-preto (folhas e ramos jovens).

 

E você, o que gosta e costuma cozinhar com PANC?

 

Mini documentário sobre as PANCs

 

https://www.youtube.com/watch?list=PLS2S6vnlMJ3jCSkbABJ69J8HqbjY98Ta8&v=zTrpWLjFvBo

* Forrageamento: busca e exploração de recursos alimentares.

 

Link para compra do livro: http://www.plantarum.com.br/prod,idloja,25249,idproduto,4689459,livros-em-portugues-plantas-alimenticias-nao-convencionais–panc–no-brasil
Link original video: http://coletivocatarse.blogspot.com.br/2010/04/projeto-pancs-soberania-alimentar-e.html

 

 

Referências: Kinupp, Valdely Ferreira. Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) no Brasil : guia de identificação, aspectos nutricionais e receitas ilustradas / Valdely Ferreira Kinupp, Harri Lorenzi. São Paulo : Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2014.

http://www.coletivoverde.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.