Índios estão reunidos com juiz federal para definir local alternativo à Aldeia Maracanã

 

O grupo não aceitou ir para a Colônia Curupaiti, onde a Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos montou um abrigo provisório.

Rio de Janeiro –

 

Cerca de dez índios estão reunidos neste momento com o juiz federal Wilson José Witzel para definir um local provisório de moradia, depois da retirada deles da Aldeia Maracanã, na sexta-feira, dia 22/3.

 

O grupo não aceitou ir para a Colônia Curupaiti, onde a Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos montou um abrigo provisório, onde eles ficariam alojados por 18 meses.

 

Também participam da audiência, advogados, antropólogos e o ex-presidente da Fundação Nacional do Índio – FUNAI, Mércio Gomes. O grupo de índios e cerca de 80 manifestantes ocuparam, dia  23/3,  o Museu do Índio em Botafogo e aproximadamente 40 pessoas dormiram no local.

 

O museu foi desocupado pela polícia na madrugada e os índios e manifestantes foram levados para a sede da Justiça Federal no Rio de Janeiro, onde estão até agora. A imprensa foi impedida de entrar e os manifestantes que apóiam o movimento foram colocados para fora do prédio.

 

No começo da tarde, o juiz foi ao local que abrigou a Aldeia Maracanã com uma comissão de cinco índios para vistoriar o prédio da Conab, que fica ao lado do prédio histórico antes ocupado pelos índios. Mas foi verificado que o local não oferece condições de abrigo.

 

O antigo Museu do Índio está sendo vigiado pela polícia e o muro, que tinha pinturas indígenas, foi pintado de branco.

 

O grupo de 13 índios que saiu pacificamente da Aldeia Maracanã na sexta- feira, dia 22/3 ,  foi levado pela manhã para Jacarepaguá. Eles foram alojados em abrigos provisórios montados em contêineres. Será construído no local um centro de referência e uma aldeia modelo para abrigar as diversas etnias.

 

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil.

Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil

Akemi Nitahara – Agência Brasil

Edição: Davi Oliveira

 

www.ebc.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.