Dia Nacional da Conservação do Solo – O Que Comemorar?

No dia 15 de abril comemorou-se em todo o País, o Dia Nacional da Conservação do Solo.

Esta data foi instituída pela Lei Federal n 7.876, de 13 de novembro de 1989, que determina no seu artigo 1º:

“Fica instituído o Dia Nacional da Conservação do Solo a ser comemorado, em todo o País, no dia 15 de abril de cada ano”.

A criação desta data demonstra a importância dos solos para a sociedade, já que os solos são considerados como um patrimônio da humanidade pela Organização das Nações Unidas – ONU.

Entre os recursos naturais, os solos podem ser considerados como um dos recursos mais importantes, tendo em vista a sua função essencial de permitir o desenvolvimento dos cultivos para a produção de alimentos, garantindo a subsistência da humanidade.

Trata-se de um recurso natural indispensável à vida humana, essencial para o equilíbrio do meio ambiente, sendo um dos elementos fundamentais da biosfera, tendo em vista a sua função essencial para o equilíbrio dos ecossistemas terrestres.

Infelizmente, no “Dia Nacional da Conservação do Solo”, não temos muito a comemorar. Vários são os problemas de degradação dos solos que atingem amplas áreas agrícolas em todo o País, sendo este um problema bastante grave em várias regiões.

Em vários Estados das regiões Sul e Centro Sul do País a erosão do solo vêm degradando milhares de hectares de terras agrícolas todos os anos, trazendo como conseqüências deste processo, a perda de solos férteis, o assoreamento dos cursos d’água, a poluição dos mananciais, e a degradação dos ecossistemas como um todo.

O fenômeno erosivo tem acarretado conseqüências econômicas, sociais e ambientais gravíssimas para as populações daqueles estados, que sofrem constantemente com os seus efeitos.

Segundo dados de pesquisa, estima-se que “80% da área cultivada do Estado de São Paulo esteja sofrendo processo erosivo além dos limites de tolerância, causando perdas de 194 milhões de toneladas de terra/ano – BELLINAZZI et al. , 1981 apud VISCHI FILHO et al., 2010.

O Rio Grande do Sul perde a cada ano cerca de 242,4 milhões de toneladas de solo. Isto corresponde a cerca de 120 mil hectares; ou seja, 2% de sua área cultivada. PETROBRÁS, 1987.

Devido a práticas incorretas de cultivo e mau uso dos solos, em poucos anos foram destruídos milhares de hectares de terras no Município de Alegrete, sendo que esta região encontra-se em processo de pré-desertificação, pela ação humana, apesar dos esforços que tem sido empreendidos pelos técnicos daquele Estado para debelar este fenômeno nocivo.

O processo de desertificação provoca impactos ambientais, sociais e econômicos seríssimos, como a destruição da biodiversidade, como a flora e a fauna, diminuição da disponibilidade de recursos hídricos, redução do potencial biológico da terra, redução da produtividade agrícola, com prejuízos econômicos e sociais para as populações – BRASIL, 1993.

Segundo a Federação das Associações de Engenheiros Agrônomos do Brasil, o nosso País perde a cada ano cerca de 600 milhões de toneladas de solo agrícola devido à erosão e ao mau uso.

Com as perdas de solo agrícola perdem-se também nutrientes, elevando-se extremamente os custos para repô-los por meio de fertilizantes e corretivos, o que significa um enorme prejuízo para a agricultura – PETROBRÁS, 1987.

Os processos erosivos, além da perda de solo agrícola, geram outras conseqüências seríssimas para o meio ambiente, tais como:

O assoreamento dos mananciais,

A poluição do solo e da água,

Os impactos ambientais negativos sobre a saúde humana,

A destruição de propriedades privadas,

A destruição de bens públicos, como estradas, barragens, escolas, hospitais

A destruição de milhares de hectares de cultivos agrícolas, gerando desta forma, um enorme passivo ambiental, com conseqüências econômicas e sociais terríveis.

Na região semi-árida Nordestina, os problemas de degradação dos solos são também muito graves, sendo que vem crescendo assustadoramente nas últimas décadas.

Um grave problema que ocorre atualmente na região semi-árida nordestina é a degradação de solos em áreas irrigadas.

A ocupação de grandes áreas por projetos de irrigação na região Nordeste, sem os devidos cuidados técnicos, tem resultado em mudanças nas características naturais dos solos, causando fenômenos nocivos como a salinização, a sodificação e a compactação dos solos.

A salinização é um grave problema que ocorre nas áreas irrigadas do semi-árido Nordestino. Os fatores centrais da salinização de um solo estão ligados à aridez do clima e ao manejo da água e do solo.

Os climas secos e quentes apresentam índices elevados de remoção de água da superfície por evaporação. Com a evaporação, todo o conteúdo de sais da água é deixado na superfície ou próximo a esta.

O excesso de sais no solo inibe o crescimento da maioria das plantas cultivadas, ocasiona problemas de toxidez, influenciando negativamente na produtividade dos cultivos.

Em se tratando de regiões semi-áridas, constitui-se em um sério problema, limitando a produção agrícola e reduzindo a produtividade dos cultivos a níveis anti-econômicos.

Segundo OLIVEIRA (1997) :

“No Nordeste semi-árido, as maiores incidências de áreas salinizadas com salinização secundária, se concentram nas terras mais intensamente cultivadas com o uso da irrigação”.

(…) “A salinidade induzida em áreas do semi-árido nordestino, tem trazido problemas de produtividade das plantas cultivadas em extensas áreas.”

“Tais efeitos contribuem para desorganização da economia secularmente débil da região, e quando ocorre em áreas de projetos de colonização do Nordeste, conhecidos como “Perímetros Irrigados” do semi-árido, os efeitos sociais negativos se tornam mais evidentes”.

Dados de pesquisa demonstram que no Brasil, aproximadamente nove milhões de hectares encontram-se afetados por sais, em sete Estados – salinização por fatores naturais, e salinização induzida por irrigação.

A maior área de solos afetados por sais está no Estado da Bahia – 44% do total, seguido pelo Ceará que representa 25,5% da área total do País. GHEYI & FAGERIA,1997.

Na região dos cerrados, existem atualmente sérios problemas de degradação física do solo, sendo a compactação um importante processo que ocorre com freqüência nesta região, devido ao uso intensivo de máquinas e implementos agrícolas.

Os horizontes dos solos ao se tornarem compactados, diminuem a capacidade de infiltração e armazenamento da água, bem como a penetração de raízes dos cultivos.

A mecanização intensiva do solo altera a sua estrutura original, influenciando também na atividade biológica. O constante revolvimento da camada arável desestrutura o solo, expondo-o aos processos erosivos.

Conforme discutido neste artigo, os dados de pesquisa revelam uma situação séria e pouco promissora para a conservação dos solos no nosso País, demonstrando o perigo a que está exposto este importante recurso natural, principalmente porque os problemas citados não foram equacionados pelos Governos e portanto seguem se agravando.

Como é fácil notar, infelizmente não há o que se comemorar no Dia Nacional da Conservação do Solo ! Na realidade, devemos ficar em posição de alerta para a atual situação.

Os processos de degradação dos solos avançam a passos largos no nosso País, sendo que a degradação do solo afigura-se como um grave problema que afeta amplas áreas agrícolas no mundo, aonde a principal riqueza tem sido tradicionalmente a agricultura.

Para reverter a situação atual, faz-se necessário a instituição de políticas públicas sérias pelos Governos Estaduais e Federal, que contemplem com prioridade a área de manejo e conservação dos solos e das águas.

Caso contrário, estaremos fadados a seguir tratando os nossos solos como o faziam os nossos colonizadores, há 500 anos atrás, queimando-os, degradando-os, utilizando-os intensivamente, até exauri-los.

Artigo de Antonio Mario Reis de Azevedo Coutinho – Engenheiro Agrônomo, Pesquisador da EBDA – Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola – Laboratório de Solos – Mestre em Geoquímica e Meio Ambiente – M.Sc.

E-mail : coutinhoagroecologia@yahoo.com.br

EcoDebate, 16/04/2012

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.