Comissão de Meio Ambiente do Senado pode aprovar incentivo fiscal para reúso de água

 

água

 

A Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle – CMA  se reúne na terça-feira, 28/10, às 10h, e pode votar projeto que concede redução de 75% do Imposto de Renda e isenção da contribuição de PIS/Pasep e Cofins para empresa que produzir ou distribuir água de reúso.

 

A medida incentiva a reutilização de água não potável, para evitar que água tratada seja usada para irrigação de jardins, lavagem áreas públicas, desobstrução de tubulações e combate a incêndios.

 

Para esses casos, poderá ser feita a reutilização de água proveniente de esgoto e de demais efluentes líquidos domésticos e industriais, desde que dentro de padrões definidos para as modalidades de uso pretendidas.

 

O projeto – PLS 12/2014, do senador Aloysio Nunes Ferreira – PSDB-SP, é voltado a empresas que fazem a adequação a esses padrões e a distribuição dessa água reaproveitada, como forma de reduzir seu custo e ampliar sua utilização nas cidades brasileiras.

 

Depois de analisada pela CMA, a proposta vai à Comissão de Assuntos Econômicos – CAE, para decisão terminativa. Licença ambiental de instalação.

 

A pauta da CMA, formada por 26 itens, inclui ainda projeto – PLS 401/2013  que torna obrigatória a inclusão da licença ambiental de instalação entre os documentos que devem constar de edital para licitação de obra pública.

 

A lei em vigor obriga que, ao lançar um edital para licitação de obras públicas, o governo inclua nos anexos o projeto básico aprovado e as licenças ambientais prévias, entre outros documentos. Já a licença de instalação é exigida da empresa vencedora da licitação, como condição para o início das obras do projeto.

 

Para Aloysio Nunes, a facilidade de concessão de licenças prévias e a deficiência dos projetos básicos resultam com frequência na paralisação de obras já licitadas, por problemas na obtenção da licença de instalação.

 

A exigência dessa licença ainda no edital, diz ele, contribuirá para melhorar a qualidade dos projetos e obrigará os órgãos ambientais a analisar esses projetos de forma mais criteriosa.

 

A matéria também será analisada pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania – CCJ.

 

Por Iara Guimarães Altafin, da Agência Senado.

 

Publicado no Portal EcoDebate, 27/10/2014

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.