Cinco espécies brasileiras de animais estão entre as mais ameaçadas de extinção no planeta

As espécies brasileiras citadas no livro “Valiosos ou Sem Valor” ,  numa tradução livre, lançado no Congresso Mundial da Natureza, na Coreia do Sul, incluem um macaco da Floresta Atlântica, um pássaro da Chapada do Araripe, no Ceará, um roedor e duas borboletas.

 

É a primeira vez que mais de 8 mil cientistas reúnem-se para avaliar os animais, plantas e fungos mais ameaçados ao redor do globo. A lista contém espécies encontradas em 48 países diferentes.

 

“Todas as espécies listadas são únicas e insubstituíveis. Se elas desaparecerem, não haverá dinheiro que as traga de volta”, disse Ellen Butcher, da Sociedade Zoológica de Londres, co-autora do relatório.

 

“No entanto, se tomarmos ações imediatas, podemos dar a elas chances de lutar pela sobrevivência. Mas isso requer que a sociedade apoie a posição moral e ética de que todas as espécies têm direito de existir.”

 

Um dos destaques da lista é o muriqui-do-norte, maior macaco das Américas, só encontrado na Mata Atlântica, no Sudeste do país. A população é calculada em menos de mil macacos, principalmente em algumas dezenas de reservas privadas e do governo.

 

“O desmatamento em larga escala e um passado de corte seletivo de madeira reduziu o ecossistema único do muriqui-do-norte para uma fração de sua extensão original, e as pressões de caça também afetaram as populações locais”, disse o relatório.

 

A publicação cita também o soldadinho-do-araripe, uma ave de cerca de 14 centímetros que vive apenas na Chapada do Araripe, no Ceará. A população é calculada em 779 indivíduos.

 

O relatório afirma que a principal ameaça é a “destruição do hábitat devido à expansão da agricultura, unidades de recreação e parques aquáticos.”

 

A “Cavia intermedia”, uma espécie de preá que existe apenas nas Ilhas Moleques do Sul, em Santa Catarina, tem população de apenas 40 a 60 indivíduos, segundo a instituição baseada em Londres, que sugere que haja mais fiscalização ao parque estadual onde estão as ilhas, além de regulamentação do acesso à área.

 

A lista de 100 espécies mais ameaçadas inclui ainda a borboleta “Actinote zikani”, que vive na Serra do Mar, perto de São Paulo, e a “Parides burchellanus”, com uma população de menos de 100 indivíduos no Cerrado brasileiro.

 

Matéria de Gustavo Bonato, da Reuters, no Estadão.com.br.

 

EcoDebate, 12/09/2012

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.