As cidades e a biodiversidade

Fazer com que as cidades usem, de forma sustentável, a diversidade biológica local é a primeira das 20 Metas de Aichi e um dos temas que integram a listas dos compromissos assumidos pelos 193 países componentes da Convenção sobre Diversidade Biológica – CDB.

 

Nesse sentido, o Brasil já está desenvolvendo um projeto-piloto em Curitiba, experiência apresentada pela professora Tatiana Gadda, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, em reunião ocorrida na Secretaria de Biodiversidade e Florestas – SBF do Ministério do Meio Ambiente na tarde de segunda-feira 20/08, para debater o tema Cidades e biodiversidade.

 

 

“Trata-se de iniciativa do Instituto de Estudos Avançados da Universidade das Nações Unidas (UNU), em desenvolvimento em outros países com o objetivo de alcançarmos as Metas de Aichi”, explica Tatiana Gadda.

 

As metas foram extraídas da 10ª Convenção sobre Diversidade Biológica – COP-10, realizada em Nagóia, Japão, em 2010.

 

 

ORIENTAÇÃO

 

Para a professora, a experiência de Curitiba, iniciada em março deste ano, permitirá a formulação de um guia para nortear estados e municípios brasileiros a desenvolverem ações que privilegiem a conservação da biodiversidade local.

 

 

“O principal aprendizado é que a biodiversidade ultrapassa as fronteiras dos municípios e as políticas locais precisam ser coerentes com esse fato”, sugere.

 

Como representante da UNU na reunião sobre Cidades e biodiversidade, o pesquisador sênior adjunto da instituição, Tony Gross, disse que, apesar de quase todos os 193 países da CDB se preocuparem com sustentabilidade e biodiversidade, os investimentos realizados nos últimos dez anos não conseguiram reverter as taxas de perdas da diversidade biológica, embora haja consenso de que essas perdas resultam em sérias consequências para todos os países.

 

“Biodiversidade é a base da provisão de vários recursos ecossistêmicos, como água, clima, polinização, segurança alimentar, entre outros pontos”, enfatizou.

 

Em se tratando de desenvolvimento sustentável, as cidades representam papel essencial. “As cidades consomem, de forma predatória e negativa, a biodiversidade em geral, como o consumo descuidado da água, as emissões de gases poluentes e qualidade de vida ligada à mobilidade, já que o mundo não é mais rural, inclusive o Brasil”, esclareceu a analista ambiental da SBF Lúcia Lopes.

 

O ponto positivo, segundo ela, é que as cidades podem melhorar esse panorama, não só do ponto de vida da biodiversidade em geral, como no que se refere ao consumo de água e na criação de parques, facilitando a manutenção da diversidade biológica da região.

 

 

EXPERIÊNCIA

 

 

O assunto debatido na reunião envolveu, também, representantes das:

 

  • Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano – SRHU;
  • Assessoria Internacional do MMA;
  • Programa de Áreas Protegidas da Amazônia – ARPA;
  • Banco alemão para desenvolvimento sustentável – GIZ;
  • Departamento de Geografia e Ecologia da Universidade de Brasília – UnB;
  • E Da ONG Iclei, sigla em inglês para Governos Locais pela Sustentabilidade.

 

 

O evento já rendeu os primeiros frutos, segundo Lúcia Lopes, que recebeu correspondência enviada, na manhã desta terça-feira, pelo coordenador do Programa de Biodiversidade e Cidades da Convenção sobre Biodiversidade – CDB da Organização das Nações Unidas – ONU, Oliver Hillel, considerando a iniciativa da extremamente positiva.

 

Hillel acredita que a experiência brasileira poderá estimular outros países a se organizarem para, igualmente, tornar suas cidades sustentáveis.

 

Da Assessoria de Comunicação do MMA.

 

22 de agosto de 2012

 

www.amarnatureza.org.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.