A experiência de sustentabilidade do Barco Iris

BARCO IRIS

Expedição Barco Iris pela Amazônia.

Foto: http://solimoesjornal.blogspot.com.br/

Notícias registradas no site D24am e em outras páginas de notícias da região norte, mencionam o desenvolvimento do projeto expedição barco Iris.

Projeto nascido em 2012, em uma conferência ambiental na Colômbia, merece registro porque perpetra uma quebra de paradigma. Certas coisas são importantes pela simbologia que carregam e não pelo conteúdo literal que armazenam.

Ninguém está imaginando que a navegação na região norte vá se pautar por esta experiência. Nada disso. Mas o que esta experiência demonstra, é que em escala piloto ou em nível experimental é possível viabilizar e demonstrar uma série de iniciativas de sustentabilidade.

Além da função de sensibilização social que representa e que demonstra a alunos de várias escolas beneficiadas com visitação e explanação e também para a população em geral.

A ideia é de usar a viagem de um barco alternativo, criado sobre concepções de busca de sustentabilidade, para divulgar preservação ambiental e procedimentos de gestão ambiental em comunidades ribeirinhas fluviais de toda a América do Sul, através de atividades educacionais e artísticas.

São desenvolvidas ações educativas sobre geração e gestão de resíduos sólidos, que são estendidas com membros de comunidades escolares, para cobrir o alcance de todas as regiões visitadas. Com os materiais recolhidos, são construídos brinquedos e outros artefatos utilizados.

O barco é um típico trimarã, assim batizado em função de suas características, e tem capacidade de navegação com até 4 toneladas de carga. A sustentação da embarcação é feita com cerca de 21 tambores de 500 litros cada.

Tambores de plástico fechado, injetados a vácuo. A própria aparência alternativa já visa passar uma mensagem de reutilização de materiais para todas as populações que são objeto da sensibilização do projeto. Não é possível e nem tem efeito prático pedagógico falar em itens de gestão ambiental ou sustentabilidade sem praticar efetivamente tais ações.

Por isso se destaca que o objetivo não é comercial, mas sim de sensibilização e demonstração de viabilidade ambiental da experiência exitosa em embarcação flutuante. Os tambores são reutilizados e foram recolhidos em indústrias após serem descartados e destinados como resíduos sólidos.

Várias ações próprias de gestão ambiental integram as práticas da embarcação, que tem um pequeno telhado, que viabiliza coleta de água da chuva, que é consumida pela tripulação para dessedentação e preparo de alimentos. A dieta também é diferenciada, a base de grãos e é grande novidade para todas as populações ribeirinhas. A tripulação estabelece grande interação social com as populações visitadas.

Os integrantes do projeto abdicaram de suas posições profissionais em nome do ideal de difundir uma ideia na qual acreditam. É uma concepção que transcende a um estilo de vida e se torna uma missão.

A viagem já incluiu países como Equador, Peru e Colômbia antes de cursar os rios da bacia hidrográfica do Amazonas, e a expedição deverá ser encerrada em agosto de 2014, quando está previsto o retorno da tripulação para a cidade de São Paulo.

Quando então se procurará aumentar a divulgação de que são possíveis soluções alternativas na bacia hidrográfica e no ecossistema amazônico.

O barco íris transcende a uma simples embarcação, se transformando numa espécie de “casa fluvial” simbólica, que é mais do que um meio de transporte, é uma escola e um teatro itinerantes, que “compartilha saberes” e, até mesmo sabores, entre populações ribeirinhas, povos indígenas, populações mestiças e colonos, como afirmou em parte o jornalista Henry Freitas, autor da matéria jornalística do site D24am, consultado para elaboração da digressão.

A expedição não pode ser considerada apenas uma iniciativa bizarra de jovens idealistas, mas demonstra como um modelo alternativo pode ser desenvolvido.

Alguns de seus procedimentos certamente poderão ser apropriados e desenvolvidos por atividades regulares, visando dotar a região amazônica de maiores e melhores ações em busca da gestão ambiental e de parâmetros de sustentabilidade.

A viagem se iniciou em 16 de outubro de 2012, em Coca, na região amazônica da província de Orellana, no Equador, onde a embarcação projetada foi construída.

Inicialmente foram percorridos mais de 900 km no rio Napo, situado na região andina, até encontro deste curso de água com o rio Amazonas. Depois, a partir de Tabatinga, primeira cidade brasileira na Amazônia que faz fronteira com Peru e Colômbia, foram percorridos aproximadamente 3.600 km no rio Amazonas, até se alcançar o Oceano Atlântico.

A ideia da viagem, do uso da embarcação e da mecânica de “performances” educacionais e artísticas na sensibilização e conscientização das populações atingidas pode não ser muito glamourosa para efeitos de imprensa, mas é muito efetiva e eficiente em termos de imaginário popular, alcançando seus objetivos junto às populações atingidas.

Enfim, a navegação por uma das áreas de maior diversidade do mundo, o extravasamento de usufruir do pulmão do mundo e desfrutar da abundância da vida selvagem sempre tem um grande apelo popular e permite a obtenção de resultados relevantes que certamente vão interferir na melhoria da qualidade ambiental e da qualidade de vida de todas as populações atingidas.

Artigo do Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.

Sugestão de leitura: Civilização Instantânea ou Felicidade Efervescente numa Gôndola ou na Tela de um Tablet [EBook Kindle], por Roberto Naime, na Amazon.

in EcoDebate, 04/08/2015

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.