A Amazônia e o desmatamento

A Amazônia é um conjunto de universos complexos. Tem gente de todo canto, por todo lado, cada um com interesses específicos. Cá estão nas várzeas, terra firme e ilhas. A maioria aboletada nas metrópoles Belém e Manaus.

Como qualquer uma do mundo, inundada de mazelas: especulação imobiliária, mercado informal, tráfico de drogas, trânsito caótico e um rosário de problemas com contas a perder de vista.

No redemoinho destas complexidades, o desmatamento é um dos elementos que conformam as múltiplas realidades de uma infinidade de redes sociais, econômicas e políticas que esgrimam na disputa pela terra e os recursos lá existentes. As redes estão em escalas locais, nacionais e internacionais.

É o extrativismo, ou saque, como preferem alguns intérpretes, que tem conectado o local ao global. Isso desde os primeiros exploradores\colonizadores. No caso do Pará é o extrativismo mineral que tem regido a economia.

A história é clara: a população local, em partícular os marginalizados, que socializam entre si os passivos sociais ou ambientais. No universo das populações consideradas tradicionais, os indígenas em particular.

A desordem agrária ou ausência de ordenamento territorial alia-se à gula dos exploradores de madeira, a maioria ilegal. Os anos ditados pelos militares são indicados como um marco da integração da região ao resto do país. Ainda que na era Vargas o pontapé tenha sido dado.

O que se conhece nos dias atuais como arco de desmatamento, que compreende desde a fronteira de Rondônia ao leste maranhense, é um dos indicadores negativos do Plano de Integração Nacional – PIN.

No caso do Maranhão, a região é considerada uma zona de transição. Trata-se do Cerrado, que foi derrubado para ceder lugar à soja. Sanae Hayashi, pesquisadora do Imazon, ONG com sede em Belém que monitora o desmatamento, explica que a busca pela madeira nobre, em particular o mogno, induziu a violência contra a floresta e configurou o arco do desmatamento.
Dados indicam que a incidência da chuva ou não em outras regiões do país pode ser explicada a partir do desmatamento na Amazônia.

Numa palestra proferida junto a discentes de jornalismo da Universidade da Amazônia – UNAMA, Hayashi lembra que a polêmica em torno do debate do Código Florestal no primeiro semestre acarretou o incremento do desmatamento no Matogrosso. O crescimento bateu a casa dos 500%.

Ao analisar o contexto atual, a pesquisadora pontua que no caso de Rondônia, por conta da construção das hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau, também ajudou a acelerar o desmatamento na região.

Sobre os principais indutores da destruição da floresta despontam a exploração ilegal da madeira e a atividade pecuária. No último caso, o governo do Pará, a partir da ação do Ministério Público Federal – MPF – realizou anos atrás a operação Boi Pirata. Uma tentativa de ordenar a atividade no estado.

O Imazon presta um serviço de assessoria com a transferência mensal de dados para o MPF e outras instituições. O objetivo é que a partir dos dados os órgãos públicos possam chegar até os locais onde ocorrem o desmatamento e responsabilizar os criminosos.

Conforme a Hayashi, o monitoramento sobre desmatamento na Amazônia é uma referência mundial, quando o assunto é transparência. O complexo processo de coleta de dados envolve imagens de satélite da Nasa e do Brasil em diferentes escalas.

Um dos problemas enfrentados no monitoramento é na época de chuva, quando a coleta de dados é prejudicada.

Pelo mesmo motivo, ocorrem ainda dificuldades com a região que fica na linha do Equador, em particular no estado no Amapá. Além do Mato Grosso, que rivaliza com o Pará o primeiro lugar no ranking do desmatamento na Amazônia, a situação tem se agravado no estado do Acre e no Amazonas.

Conforme análise de Hayashi tem ocorrido migração dos exploradores de Rondônia para estes estados. No caso do Mato Grosso, o avanço da soja é considerado o principal vetor do desmatamento.

Além da divulgação dos dados do desmatamento a cada mês, o Imazon divulga o cenário anual. Por conta do avanço sobre a floresta no Mato Grosso, a interpretação da pesquisadora é que os dados indiquem a tendência de aumento em comparação ao derradeiro relatório. Os dados devem ser apresentados ainda nesta semana.

O município de Paragominas hoje tem sido uma espécie de referência na busca de reverter a situação do desmatamento no Pará. O projeto de município verde teve início em 2007, a partir do Decreto 6.321.

O decreto permite o desmatamento de 40 km² por ano. Com a medida o município é obrigado a estabelecer um plano de prevenção e combate ao desmatamento, sob pena de não acessar políticas públicas.

O Imazon monitora a perda da floresta e as estradas legais e ilegais. Sobre o projeto da construção de Belo Monte no Xingu, produziu um documento. Saiba mais sobre o Imazon.

Rogério Almeida é professor da Universidade da Amazônia (UNAMA), Belém-PA

Artigo enviado por Rogério Almeida ao

EcoDebate, 23/09/2011

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.