Advogado de controladoras da Samarco ajuda a escrever novo código da mineração

Leonardo

Deputado Leonardo Quintão é o relator do Novo Código da Mineração.

Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados.

O código da Mineração já chegou no Congresso desequilibrado: a sociedade civil não foi ouvida enquanto o Planalto preparava as mudanças para o setor.

Enviado a Câmara, o projeto caiu no colo de deputados ligados aos interesses das mineradoras. O relator da matéria da casa, deputado Leonardo Quintão – PMDB/MG, teve parte da sua campanha eleitoral financiada por mineradoras e já admitiu em vídeo defender os direitos dessas empresas.

Mas um documento divulgado hoje pela BBC Brasil demonstra que a relação entre as empresas mineradoras e o deputado é mais próxima do que se pensava: de acordo com a reportagem de Ricardo Senra, o documento oficial do novo Código da Mineração foi criado e alterado em computadores do escritório de advocacia Pinheiro Neto, que tem como clientes mineradoras como Vale e BHP Billtion, donas da Samarco, causadora do desastre ambiental de Mariana – MG há um mês.

Dados do arquivo revelam que o conteúdo foi criado em um laptop do escritório Pinheiro Neto e modificado em pelo menos cem trechos por um de seus sócios, o advogado Carlos Vilhena, apesar de ser assinado pelo deputado Leonardo Quintão – PMDB/MG, relator do projeto de lei.

Ainda de acordo com a matéria, o escritório afirmou que o advogado fez uso de um laptop do escritório, mas fora do ambiente de trabalho. Segundo o advogado Vilhena, o texto foi sim modificado por ele a título de uma colaboração voluntária.

Interesses

Essa não é a primeira vez que o relator do projeto, Leonardo Quintão (PMDB-MG), é acusado de cumplicidade com as mineradoras na relatoria do Novo Código de Mineração.

Em 2014, um grupo de entidades da sociedade civil protocolou uma representação na Câmara pedindo a destituição do deputado da relatoria, acusado de fazer lobby pras mineradoras. A representação por quebra de decoro foi rejeitada pelo então presidente da Câmara, Henrique Alves – PMDB/RN.

As ONGs, lideradas pelo Instituto Sociambiental – ISA, protocolaram no Supremo Tribunal Federal – STF um mandado de segurança, mas o relator, ministro Luiz Fux, negou o pedido.

Em 2013, o repórter Alceu Luís Castilho, em matéria da Pública, destrinchou a teia que liga políticos às mineradoras, principalmente parte da bancada do PMDB, na Câmara dos Deputados.

Cotado para ser votada essa semana, o novo Código de Mineração ganhou interesse da opinião pública após a tragédia que se abateu sobre Mariana e arredores.

Rejeitos de minérios de ferro destruíram o vilarejo de Bento Rodrigues e causaram impacto em 663 km de rio, chegando a atingir a foz do rio Doce, local de desova de tartarugas.

Depois do desastre, a esperança era que novas propostas fossem incorporadas ao projeto, e não descobrir que parte de sua autoria é de um advogado ligado às controladoras da empresa.

Por ((o))eco
Terça-feira, 08 dezembro 2015

http://www.oeco.org.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.